Warning: Missing argument 2 for wpdb::prepare(), called in /var/www/html/funnygirl.com.br/web/wp-content/themes/gonzo/includes/widget_areas.php on line 154 and defined in /var/www/html/funnygirl.com.br/web/wp-includes/wp-db.php on line 1246
Crítica: "Frozen - Uma Aventura Congelante" - Funny Girl

Cinema Frozen

Published on dezembro 13th, 2013 | by Maiara Tissi

2

Crítica: “Frozen – Uma Aventura Congelante”

Olá, galerinha! Essa semana assistimos ao novo longa metragem de animação da Disney, Frozen – Uma Aventura Congelante! O filme é uma graça, super engraçado e totalmente musical, não é preciso nem dizer que adoramos, né?!

Inspirado no conto The Snow Queen, do escritor Hans Christian Andersen, Frozen – Uma Aventura Congelante está cheio de nomes especialistas na área de animações. Seu roteiro é de Jennifer Lee (Detona Ralph), quem também dirige juntamente com Chris Buck (Tarzan e Tá Dando Onda), enquanto a produção fica por conta de Peter Del Vecho (A Princesa e o Sapo) e a trilha sonora é assinada por Christophe Beck (Os Muppets).

Embora construído por pessoas tão talentosas e experientes, a animação precisava também de um elenco poderoso não apenas para alavancar sua qualidade, mas também para atrair o público. Foram escolhidos, então, para sua versão original os atores Kristen Bell, Idina Menzel, Jonathan Groff e Josh Gad, responsáveis pelas vozes dos protagonistas Anna, Elsa, Kristoff e Olaf, respectivamente. Já no Brasil, Fábio Porchat é o boneco de neve Olaf. Com tudo mais do que certo na produção, sua divulgação foi massiva nos últimos meses. Campanha esta assertiva, pois o filme chega aos cinemas do mundo inteiro repleto de expectativas, e com muita responsabilidade também.

Frozen

As princesas Elsa e Anna são herdeiras de um reino chamado Arendelle, onde apesar de alguns olhares invejosos e mercenários de fora, reside em tranquilidade e conforto. Criadas por pais amorosos e presente, além de irmãs, as duas sempre foram melhores amigas. A mais velha Elsa, porém, nasceu com um poder especial e bastante perigoso se não controlado. Capaz de criar gelo e neve, conforme ela cresce, o poder que antes gerava brincadeira entre as irmãs se torna uma barreira entre elas.

Apesar dos desafios enfrentados pela dupla ao longo do filme, a animação é uma das mais divertidas entre as últimas produções da Disney. Com situações cômicas de montão, a trama conta com personagens cheios de empatia que ajudam a desenvolver e criar momentos bem humorados, em especial o boneco de neve falante e sem noção Olaf. Cheio de personalidade, o boneco conquista o público de imediato e quase tira o foco das princesas, que só se mantém de pé por apresentarem motivações e objetivos distintos do lugar-comum das princesas que já conhecemos. Para completar o grupo, Kristoff é o parceiro de viagem fofo e adorável com suas pequenas falhas, e seu amigo rena (!) Sven, que ajuda Anna e Elsa em sua jornada.

Frozen

Além dos personagens bem construídos e os alívios cômicos, um outro aspecto que pode ajudar ainda mais a criançada a se envolver com a trama é a trilha sonora. As músicas são presença constante ao longo do filme e vão das agitadinhas até aquelas motivacionais que marcam um ponto de virada importante na história. A versão brasileira, é bom dizer, mantém o nível da internacional, comprovando que a Disney é realmente uma das melhores tanto na dublagem quanto na adaptação. Outros aspectos sempre muito bem trabalhados em seus filmes são os técnicos, que mais uma vez são muitíssimo bem realizados, tanto na área sonora quanto na visual (e haja branco para ser trabalhado).

Frozen – Uma Aventura Congelante segue a nova tradição da Disney em desconstruir os estereótipos e modernizar seus personagens criando personalidades inesperadas e algumas surpresas ao longo de sua história. A escolha em deixar para trás a princesa indefesa e o príncipe salvador da pátria é inteligente e completamente necessária, já que o conto de fadas não se quebrou apenas para as moças mais crescidinhas como já é inverossímil até para o público infantil. O filme acerta em se basear em personagens divertidos e ótimas canções e intérpretes, se resumindo a um perfeito entretenimento para crianças e adolescente, e até, por que não, para os mais crescidinhos que não resistem a uma boa produção da Disney.

Frozen

FOFICE BÔNUS:

Antes de iniciar a exibição de Frozen, a Disney preparou para o público do cinema um curta-metragem mais do que especial chamado Mickey Mouse em é Hora de Viajar! (Get a Horse). Estrelando Mickey e Minnie Mouse e sua antiga turma contra o antagônico João Bafo de Onça, o curta tem origem nas primeira animações já feitas por Walt Disney, trazendo os traços originais do estúdio assim como um humor característico da época de seus primeiros filminhos.

Apesar da nostalgia boa que vem com o curta, de repente uma atualização adentra o filme sem pedir licença e mescla o antigo com o novo, não apenas pelo uso (genial) do 3D, como também pelo traçado digital adotado pela Disney nos últimos anos. Mostrando que Walt e Mickey sempre estiveram presentes na animação mundial, conseguindo se modernizar conforme os anos passavam e as tecnologias avançavam, É Hora de Viajar é uma bela surpresa, que nos faz torcer pela volta da exibição de curtas-metragem antes dos longas de animação.



Tags: , , , , , , , , , , ,


About the Author

Criadora e editora-chefe do site Funny Girl. Apesar de ter prestado vestibular para Rádio e TV e adorar dar uma de jornalista, Maiara é cineasta por formação. Residente em São Paulo, suas grandes paixões são o cinema e o teatro, embora também não resista a um bom livro e seja levemente viciada em seriados de televisão.



2 Responses to Crítica: “Frozen – Uma Aventura Congelante”

  1. Nicholas says:

    Faltou também fazer menção ao Bob Lopez e sua esposa que escreveram as músicas originais do filme :)

  2. Sinara says:

    Muito bom. Recomendo

Back to Top ↑