Warning: Missing argument 2 for wpdb::prepare(), called in /var/www/html/funnygirl.com.br/web/wp-content/themes/gonzo/includes/widget_areas.php on line 154 and defined in /var/www/html/funnygirl.com.br/web/wp-includes/wp-db.php on line 1246
Crítica: "Jobs" - Funny Girl

Cinema 2013812090(4)

Published on setembro 27th, 2013 | by Maiara Tissi

0

Crítica: “Jobs”

20130815203633730836u

Bastante aguardado pelos cineastas de plantão e com forte campanha de marketing, Jobs chegou aos cinemas brasileiros no início deste mês e ainda busca atingir a repercussão esperada. O filme ganhou destaque ainda em seu processo de produção, não apenas por tratar da vida de um dos maiores nomes da Era Tecnológica como também por escalar o astro polêmico Ashton Kutcher como seu protagonista – aposta arriscada, porém certeira.

O longa aborda o caminho de Jobs para o sucesso, começando pela década de 1970 com um Steve franzino, nerd (no sentido real da palavra) e que não se em adéqua às normas impostas a ele na faculdade ou na sociedade no geral. O jovem hippie apresentado ao espectador compõe um personagem bem distante do homem sério, centrado e bem sucedido representado por sua famosa imagem em preto e branco com olhar penetrante e a mão no queixo.

20609612-768x576-crop

Como todo bom enredo e em toda boa história digna de narrativa, Steve conta com a ajuda de seus amigos para sair de seu mundo comum e desenvolver o que sucederia no grande ponto de virada de sua vida, neste caso, um aparelho chamado iMac. Também seguindo as normas da narrativa assim como o desfecho de um projeto bem sucedido que gera sucesso e reconhecimento mais pra um lado do que para o outro, o conflito entre o homem da Apple e seu co-criador Woz é inevitável.

Atrito este gerado também pelo difícil convívio com o gênio arrogante, pretensioso e egoísta que Jobs se torna, o que nos leva diretamente e inevitavelmente para A Rede Social, longa dirigido por David Fincher sobre o período da vida de Mark Zuckerberg em que este desenvolveu (ou roubou, escolha seu lado) o Facebook. A comparação, porém, resulta em desvantagem para Jobs, que por sua vez é dirigido pelo praticamente desconhecido Joshua Michael Stern (Promessas de Um Cara de Pau), que não surpreende e toma decisões no mínimo questionáveis como contador de histórias.

Ashton Kutcher se entrega em um dos papeis mais complicado de sua carreira e mostra um pedacinho a mais de seu potencial ao dar vida da uma pessoa tão influente, que através de seu trabalho e sua criação atingiu pessoalmente o cotidiano de cada um de nós. Essa abordagem, o revelar ao público aspectos íntimos possivelmente antes desconhecidos, se mostra a maior qualidade e o grande atrativo de Jobs.

 

Tags: , , , , , ,


About the Author

Criadora e editora-chefe do site Funny Girl. Apesar de ter prestado vestibular para Rádio e TV e adorar dar uma de jornalista, Maiara é cineasta por formação. Residente em São Paulo, suas grandes paixões são o cinema e o teatro, embora também não resista a um bom livro e seja levemente viciada em seriados de televisão.



Comments are closed.

Back to Top ↑