Warning: Missing argument 2 for wpdb::prepare(), called in /var/www/html/funnygirl.com.br/web/wp-content/themes/gonzo/includes/widget_areas.php on line 154 and defined in /var/www/html/funnygirl.com.br/web/wp-includes/wp-db.php on line 1291
Ed Sheeran em SP - Nossa Experiência - Funny Girl

Especial Ed Sheeran

Published on maio 6th, 2015 | by Maiara Tissi

0

Ed Sheeran em SP – Nossa Experiência

Como aconteceu na publicação sobre a Comic Con Experience 2014, é bem difícil escrever um post imparcial sobre a primeira vez que vi Ed Sheeran ao vivo, os acontecimentos deste dia e minhas sensações, então é isso mesmo. Não uma resenha crítica sobre o show, mas a minha experiência, uma visão de fã com o máximo de informações que consigo compartilhar. 🙂

Ed Sheeran

Desde que me apresentaram Ed Sheeran (momento logo compartilhado com vocês através deste post), não teve mais saída. Sua voz melancólica, que sabe tanto quebrar corações quanto fazer com que a gente se perca em raps rápidos e pungentes, me conquistou no ato. Porque o Ed é desses músicos únicos que encontramos uma vez em cada geração, se tivermos sorte. Sempre acreditei nisso. Mas, admito, a prova real veio apenas na última terça-feira, dia 28, quando tive a honra de estar entre o público fervoroso que o recebeu em sua primeira apresentação no Brasil.

O Espaço das Américas, em São Paulo, foi o palco (literalmente :p) para a reafirmação do talento deste ruivinho tímido que não precisa de nada além de sua música para conquistar seguidores no mundo inteiro. Um sorriso ou outro vai bem, mas Ed parece gostar de poupá-los para ocasiões especiais. Sorte de quem estava lá que esta era uma destas ocasiões.

Ed Sheeran

A conversa com o público entre uma canção e outra foi escassa, ao contrário de tantas bandas por aí que adoram preencher seus shows como sanduíches X-Tudo do trailer de lanches da esquina. Ele não, esta banda de um homem só que faz seu som com nada mais do que um violão e um pedal multi-uso, quer mesmo é saber de música e mais música. É assim que ele quer conversar e é assim que cumpre sua promessa. “Hoje eu estou aqui para entreter. E vocês, para serem entretidos”, é o anúncio que Ed Sheeran faz assim que pega o microfone na largada do show.

Apesar das poucas palavras e muitas pessoas entre nós, porém, os telões não deixavam mentir, o sorriso no rosto de Ed apareceu ao longo de suas quase duas horas de apresentação. Se o motivo foi o coro feitos pelas milhares de pessoas tão longe de sua terra natal ali por ele, ou se foram as declarações proclamadas entre uma canção e outra, ou se foi a energia brasileira, eu não sei. Mas provavelmente foi tudo isso junto.

Ed Sheeran

A partir de “I’m a Mess”, canção que nem estava entre minhas favoritas, mas que desde dia 28 encontrou um lugar especial no meu coração, já que meu ouvido não consegue esquecer destas primeiras palavras cantadas por ele ao vivo, Ed Sheeran trouxe o público para si em cada canção suave. Focado em seu violão, emocionou com trilhas como “All Of The Stars” e “Photograph”. Com a mesma capacidade, levou todos a loucura, deixando o instrumento de lado e pulando de um lado por outro nas batidas fortes de músicas como “Sing” e o mashup “Don’t/No Diggity/Nina”.

Se de um lado suas composição são de valor inegável, de outro, alguns momentos me surpreenderam e marcaram a apresentação para mim. Desde aspectos técnicos, como o conjunto de telões que formavam um espetáculo à parte com suas composições visuais perfeitamente encaixadas com o que era tocado, até a capacidade vocal do cantor ao vivo e sem descanso.

Ed Sheeran

Além de seu tom que todos já adoram, Ed Sheeran se mostrou uma máquina de canto ao engatar mais de quinze músicas praticamente sem intervalos. Quando já era de se perguntas como ele era capaz de seguir com tamanha qualidade, quase no fim do show, ele ainda apresenta a dificílima “You Need Me But I Do’n Need You” em uma potencia capaz de levantar até os seguranças da casa (não vi, mas aposto que sim). Fora Paul McCartney com seus 72 anos e apresentações de três horas em estádios, nunca tinha visto nada parecido.

O que fica, é claro, é o gosto de Quero mais!, a certeza de que Ed Sheeran é raridade e o desejo que este seja apenas o primeiro de muitos encontros de felicidade e música boa com este britânico que, já era, está no <3

Ed Sheeran

 

Vídeos tremidos de emoção

Início de “I’m a Mess”:
 

 

Bloodstream:
 

 

All of the Stars (trecho):
 

 

All of the Stars (inteira):
 

 

Give me Love:
 

 

Thinking Out Loud:
 

 

Crédito de imagens: Christal Araújo.

Tags: , , , , , ,


About the Author

Criadora e editora-chefe do site Funny Girl. Apesar de ter prestado vestibular para Rádio e TV e adorar dar uma de jornalista, Maiara é cineasta por formação. Residente em São Paulo, suas grandes paixões são o cinema e o teatro, embora também não resista a um bom livro e seja levemente viciada em seriados de televisão.



Comments are closed.

Back to Top ↑